Open Access. Powered by Scholars. Published by Universities.®

Political Science Commons

Open Access. Powered by Scholars. Published by Universities.®

Selected Works

PDF

2010

Sociology

Articles 1 - 30 of 68

Full-Text Articles in Political Science

Does The Parliament Make A Difference? The Role Of The Italian Parliament In Financial Policy, Carolyn Forestiere, Riccardo Pelizzo Dec 2010

Does The Parliament Make A Difference? The Role Of The Italian Parliament In Financial Policy, Carolyn Forestiere, Riccardo Pelizzo

John N. WILLIAMS

A recent survey conducted in a sample of 83 countries by the Inter-Parliamentary Union in collaboration with the World Bank Institute on the Relations between the Legislature and the Executive in the Context of Parliamentary Oversight allows cross-national comparison for the role of legislatures in the budgetary process. One of the survey’s most significant indications is that legislatures in presidential systems are generally more involved in the preparation of the budget than legislatures in either parliamentary or semi-presidential systems. The picture, however, is very different when we look at legislatures’ oversight of the budget. Parliaments are generally more involved ...


Predicting State Failure: A Classification Tree Approach, Atin Basu Choudhary, Jim T. Bang, William F. Shughart Ii Dec 2010

Predicting State Failure: A Classification Tree Approach, Atin Basu Choudhary, Jim T. Bang, William F. Shughart Ii

Atin Basu Choudhary

We deviate from standard practice in the literature on state failure to use classification tree methods to predict state failure. We argue that the rarity of state failure and simplicity of use and interpretation makes this approach more attractive. We determine simple decision rules, based on observable and measurable variables, to determine whether a country is likely to fail or not.


Não Uma Outra República, A Nossa República, Outra, Paulo Ferreira Da Cunha Dec 2010

Não Uma Outra República, A Nossa República, Outra, Paulo Ferreira Da Cunha

Paulo Ferreira da Cunha

Porque é que as democracias nunca se defendem bem? E como não vêem alguns dos que, generosa ou utopicamente, advogam uma nova república (a que chamam IV, normalmente, contando como tal o salazarismo-caetanismo, que foi uma autocracia, logo não uma república, mesmo uma anti-república), estão objectivamente a levar água ao moinho dessa coisa-outra que pode ter fachada republicana (ou monárquica…), mas só poderia ser, de novo, uma autocracia?


Proyecto De Investigación: La Primera Agencia Espacial Mexicana: La Comisión Nacional Del Espacio Exterior (1962-1977), J. R. Joel Flores-Mariscal Dec 2010

Proyecto De Investigación: La Primera Agencia Espacial Mexicana: La Comisión Nacional Del Espacio Exterior (1962-1977), J. R. Joel Flores-Mariscal

J. R. Joel Flores-Mariscal

No abstract provided.


Proyecto De Investigación: Los Mexicanos En Las Operaciones De La Segunda Guerra Mundial, J. R. Joel Flores-Mariscal Dec 2010

Proyecto De Investigación: Los Mexicanos En Las Operaciones De La Segunda Guerra Mundial, J. R. Joel Flores-Mariscal

J. R. Joel Flores-Mariscal

No abstract provided.


Revisões Constitucionais Inconstitucionais?, Paulo Ferreira Da Cunha Nov 2010

Revisões Constitucionais Inconstitucionais?, Paulo Ferreira Da Cunha

Paulo Ferreira da Cunha

Algumas propostas de revisão constitucional parecem ignorar que tal procedimento está constitucionalizado, e que há regras para o fazer, assim como vários limites a respeitar. Só podem ser consideradas iniciativas de divulgação de ideários políticos porque, se por absurdo fossem por diante, acabariam por constituir revisões constitucionais inconstitucionais. Um dos pontos mais nevráligicos da polémica (não só portuguesa) sobre as mutações constitucionais é o Estado Social. Sobre ele se gerou um amplo consenso na Constituinte, que persiste e até talvez se haja aprofundado na sociedade de hoje. Ele faz intrinsecamente parte do programa da Constituição vigente, pelo que revê-la de ...


Visões E Revisões Constitucionais, Paulo Ferreira Da Cunha Nov 2010

Visões E Revisões Constitucionais, Paulo Ferreira Da Cunha

Paulo Ferreira da Cunha

Os tempos actuais são apesar de tudo excelentes para reflectir sobre o vero alcance das normas. E sobretudo das normas generosas da nossa Constituição democrática e social. Não se pense que a Constituição é milagrosa. As crises, como aquela em que nos encontramos, colocam-lhe desafios sérios, e é a força das coisas, dos factos, e não o normativo dos textos, quem impera normalmente.


Public Opinion Reform In China, David S. Mason, Ken Colburn Nov 2010

Public Opinion Reform In China, David S. Mason, Ken Colburn

Kenneth D. Colburn

As the People's Republic of China shifts toward a more market-oriented economic system, it has also begun exploring another Western institution: scientific public opinion polling. As Yang Guansan, one of China's leading pollsters, said recently in the Beijing Review: "Only five or six years ago, the public opinion poll was considered to be a 'bourgeois' or 'capitalist' method of social survey ... Now the taboo has been swept away in the strong tide of reform, which is challenging all of China's traditions, stereotypes and prejudices."


The Emergence Of Indigenous Movements In Latin America And Their Impact On The Latin American Political Scene., Salvador Marti I Puig Nov 2010

The Emergence Of Indigenous Movements In Latin America And Their Impact On The Latin American Political Scene., Salvador Marti I Puig

Salvador Marti i Puig

The past two decades have seen the emergence of various political actors in Latin America for whom indigenousness is their basic social identity. The appearance of indig- enous movements at this time can be attributed to a change in the structure of political opportunities in response to globalization, which has created a situation in which policy making is no longer controlled by governments but increasingly the result of the interac- tion of a wide variety of actors. Indigenous peoples have been empowered by alliances with actors that have provided them greater capacity for applying pressure through rela- tionships, including churches ...


Blame It On The Russians: Tracking The Portrayal Of Russians During Cyber Conflict Incidents, Athina Karatzogianni Dr Oct 2010

Blame It On The Russians: Tracking The Portrayal Of Russians During Cyber Conflict Incidents, Athina Karatzogianni Dr

Athina Karatzogianni

This article analyses various cyber conflicts and cyber crime incidents attributed to Russian hackers, such as the Estonian and Georgian cyber conflicts and the ‘Climategate hack’. The article argues that Russian hackers were blamed by dozens of outlets for the Climategate hack, because that was consistent with global media coverage of cyber crime incidents which portrayed Russians as highly powerful hackers responsible for many hacking incidents. This narrative also was congruent with the new Cold War rhetoric that consistently takes issue with Russia acting on its geopolitical interests. These interests are seen to manifest themselves in Russia’s objection to ...


Spiritually Integrative Archetypal Energies And Glimpes Into Soul Consciousness, Carroy U. Ferguson Oct 2010

Spiritually Integrative Archetypal Energies And Glimpes Into Soul Consciousness, Carroy U. Ferguson

Carroy U "Cuf" Ferguson, Ph.D.

In other writings I have described Archetypal Energies as Higher Vibrational Energies that have their own transcendent value, purpose, quality, and “voice” unique to the individual that operate deep within our psyches, at both individual and collective levels. We tend to experience them as “creative urges” to move us toward our Highest Good or Optimal Realities. I use easily recognized terms to evoke a common sense of these Archetypal Energies (e.g., Love, Acceptance, Inclusion, Harmony, Peace). Here, I want to discuss Spiritually Integrative Archetypal Energies and how they can assist us in gaining glimpses into the nature of our ...


Palavras Claras, Paulo Ferreira Da Cunha Oct 2010

Palavras Claras, Paulo Ferreira Da Cunha

Paulo Ferreira da Cunha

Cuidemos das palavras. É tão fácil identificar um novo-rico cultural ou um tecnocrata vazio pela linguagem de plástico... Essa linguagem (voltei a ver agora numa releitura de António Telmo, mas já está em Confúcio), molda mesmo a mente. Quem assim fala, assim pensa. É critério infalível.


Lições Do Kiwi, Paulo Ferreira Da Cunha Oct 2010

Lições Do Kiwi, Paulo Ferreira Da Cunha

Paulo Ferreira da Cunha

Nenhum desafio, nem mesmo o do sabor de um fruto descrito por palavras, pode ficar sem resposta – ainda que aproximativa; a ausência de convenções sobre o como fazer não deve paralisar quem quer fazer; a analogia com o fazer outras coisas pode servir de inspiração; mas não se pode fazer algo de novo, ou face a coisas novas meramente repetindo o antigo – é preciso alguma inovação, ainda que na reunião dos meios; finalmente, cada coisa, cada desafio novo, cada nova tarefa, convoca instrumentos adequados, e não outros.


How The European Union's Legal System Works - And Does Not Work: Response To Carruba, Gabel, And Hankla, Alec Stone Sweet Oct 2010

How The European Union's Legal System Works - And Does Not Work: Response To Carruba, Gabel, And Hankla, Alec Stone Sweet

Alec Stone Sweet

No abstract provided.


República E Monarquia: Desfazendo Confusões, Paulo Ferreira Da Cunha Oct 2010

República E Monarquia: Desfazendo Confusões, Paulo Ferreira Da Cunha

Paulo Ferreira da Cunha

Há pelo menos três sentidos essencias da palavra República... Se os confundirmos, estamos perdidos, nunca nos entenderemos. O sentido mais profícuo é o material ou substancial e intermédio: nem o que diz que todas as sociedades políticas o são (sentido hoje quase esquecido), nem o que identifica formalmente as repúblicas com todas as sociedades que não têm rei, sem lhes verificar requisitos éticos. Há um "quid" especial nas Repúblicas para quem é republicano. E que não tem nada a ver com o que nelas vêem os monárquicos ou os indiferentes (?)...


The State-In-Society Approach To Democratization With Examples From Japan, Mary Alice Haddad Sep 2010

The State-In-Society Approach To Democratization With Examples From Japan, Mary Alice Haddad

Mary Alice Haddad

How does an undemocratic country create democratic institutions and transform its polity in such a way that democratic values and practices become integral parts of its political culture? This article uses the case of Japan to advocate for a new theoretical approach to the study of democratization. In particular, it examines how theoretical models based on the European and North American experiences have difficulty explaining the process of democratization in Japan, and argues that a state-in-society approach is better suited to explaining the democratization process diverse cultural contexts. Taking a bottom-up view of recent developments in Japanese civil society through ...


Pedro E O Lobo, Paulo Ferreira Da Cunha Sep 2010

Pedro E O Lobo, Paulo Ferreira Da Cunha

Paulo Ferreira da Cunha

Somos constantemente bombardeados com desgraças. Os telejornais coleccionam desgraças pelo mundo, até de poucos mortos, todas juntas. O catastrofismo é empolado por privilegiados e ociosos (que disso não se dão conta), que gostariam de mais privilégios, e cuja ociosidade precisa de ser preenchida com emoções fortes, ainda que artificiais. Quando é necessário unir os Portugueses e trabalhar muito, precisamente nos acenam com o mito do Dom Sebastião... Como seria a desilusão dos incautos por eles arrastados se acaso triunfassem as suas pretensões... O presente artigo pretende sublinhar a importância do triunfo do princípio da responsabilidade sobre os impulsos tanáticos, suicidas ...


República E Justiça Social, Paulo Ferreira Da Cunha Sep 2010

República E Justiça Social, Paulo Ferreira Da Cunha

Paulo Ferreira da Cunha

Será a República socialmente indiferente? Algumas experiências concretas (e desde logo a I República portuguesa) levaram alguns, sobretudo mais adeptos de transformações mais profundas e violentas, a criticar o republicanismo por contrário à Justiça Social, ou, pelo menos, como muito tímido nessa matéria. Mas será que a República é, por natureza, anti-social, a-social ou mesmo conservadora? Não nos parece...


República, Adjectivos E Números, Paulo Ferreira Da Cunha Sep 2010

República, Adjectivos E Números, Paulo Ferreira Da Cunha

Paulo Ferreira da Cunha

Políticos e comentadores que falam em renovação das instituições e a tal querem dar novo nome, caem quase sempre em expressões de conotação perigosa à luz da História política.Felizmente as nossas Repúblicas não têm numeração oficial. Em tempo de comemorações, há quem fale em mais Repúblicas do que duas. E mesmo quem se preocupe com os 100 anos da República se não se contar o interregno, o “Estado Novo”. Mas o que os republicanos comemoram é um século desde a implantação da República (1910). É esse momento que se celebra.


Constitucionalidade É Regra, Paulo Ferreira Da Cunha Aug 2010

Constitucionalidade É Regra, Paulo Ferreira Da Cunha

Paulo Ferreira da Cunha

A Constituição não é um desses conceitos que se dobram e desdobram, fazem e refazem a bel-prazer dos interesses dos políticos, ou dos comentadores, que não o são menos. Não é questão de moda. Já como que ouvimos alguns a pensar, e quiçá a dizer mesmo: "Esta estação "está a dar", é "chic" ser contra a velharia da Constituição. Façamos pois uma nova, rasguemos e rompamos a velha - mesmo que por revisão -, fruto dessa coisa caduca, desactualizada, a revolução dos cravos, flor popularucha..." A Constituição, porém, não se muda por capricho de bem-pensantes, que nos querem doutrinar com o que ...


A Constituição É Soberana, Paulo Ferreira Da Cunha Aug 2010

A Constituição É Soberana, Paulo Ferreira Da Cunha

Paulo Ferreira da Cunha

A Constituição está acima de toda e qualquer outra manifestação jurídica, e, naturalmente, política. Por isso tem sido identificada, na pirâmide normativa (e jurídica em geral), com o vértice. Todo o Direito tem de estar de acordo com a Constituição. As normas, mesmo pretensamente constitucionais, que não respeitem a Constituição, são inconstitucionais e devem ser apagadas (quanto possível, pela natureza das coisas) da ordem jurídica. Estas como outras ideias simples nem sempre são aplicadas (ou se têm presentes) na prática do debate político. Quando, por exemplo, se pensa em revisões constitucionais. Estas também têm de respeitar a hierarquia normativa, logo ...


Constituição É Estabilidade, Paulo Ferreira Da Cunha Aug 2010

Constituição É Estabilidade, Paulo Ferreira Da Cunha

Paulo Ferreira da Cunha

A Constituição é a norma das normas, base da estabilidade institucional e da continuidade política para além dos governos, que se vão sucedendo e a devem sempre cumprir. A Constituição contém um programa nacional comum. Quando esse programa não servir realmente, não se revê a Constituição. Faz-se uma revolução e virá por ela nova Constituição. Mas estamos contentes com a Constituição que temos. Ela serve-nos, com mudanças de pormenor, quando oportuno.


Futebol Como Metáfora, Paulo Ferreira Da Cunha Jul 2010

Futebol Como Metáfora, Paulo Ferreira Da Cunha

Paulo Ferreira da Cunha

O grande antropólogo brasileiro Roberto Da Matta, em entrevista a Marília Gabriela, na SBT, notável a muitos títulos, pareceu-nos ter elogiado o futebol como um sector social em que os jogadores são escolhidos pelo seu mérito efectivo e não por "cunhas" ou por motivos hereditários ou de afinidade. O que seria se a sociedade em geral se regulasse do mesmo modo? Ponderam-se neste artigo o entusiasmo por uma metáfora dessas e sublinha-se também a ambiguidade dessa "meritocracia"...


Higiene Da Língua, Paulo Ferreira Da Cunha Jul 2010

Higiene Da Língua, Paulo Ferreira Da Cunha

Paulo Ferreira da Cunha

Não interessam as ideias, ou o que se diga, mas apenas "passar na TV"? A nossa Língua não denota, nos maus tratos que sofre, doenças sociais e políticas? Antes de tudo, para haver saúde social e política, é preciso ter ideias claras. E elas não existem sem palavras apropriadas - uma lição de Confúcio a meditar. A alternativa é venerarmos apenas, acriticamente, os ídolos que passem na TV.


Mother Earth "Speaks": Change Yourself, Change The World, Use The Archetypal Energy "Harmony" As A Guide, Carroy U. Ferguson Jun 2010

Mother Earth "Speaks": Change Yourself, Change The World, Use The Archetypal Energy "Harmony" As A Guide, Carroy U. Ferguson

Carroy U "Cuf" Ferguson, Ph.D.

In relation to the Cosmos, we all, as human beings, live on this tiny planet we call Earth, a planet that supports and sustains life, as we know it. There are many different kinds of people, plants, and animals functioning in harmony with soil, air, and water--all linked to one another in a complex web of life to form one Earth community. Unfortunately, we often take this miracle and ecosystem of life for granted. When, however, we take the ecosystem of life too much for granted, Mother Earth "speaks," reflecting imbalances and dis-harmonies. When Mother Earth "speaks," her message is ...


Facebook, Paulo Ferreira Da Cunha Jun 2010

Facebook, Paulo Ferreira Da Cunha

Paulo Ferreira da Cunha

Fascínios, possibilidades e perigos do Facebook e de tecnologias afins e seu uso. Sobretudo, a pseudo-democracia electrónica, tentação dos demagogos.


Forest Governance In India: Collective Rights And Claims In The Forest Rights Act, Prakash Kashwan May 2010

Forest Governance In India: Collective Rights And Claims In The Forest Rights Act, Prakash Kashwan

Prakash Kashwan

The note is intended as an intervention within an ongoing policy debate around questions of forest governance in India. The need to keep this note short has forced the author to assume readers’ familiarity with these debates. Given this, some readers may be interested in the reports on Forest Rights Act (FRA), 2006 available at http://www.forestrights.nic.in/ and

http://www.forestrightsact.com/

Research support from the International Foundation for Science, Stockholm, and the Ford Foundation, New Delhi is gratefully acknowledged. The author is thankful to Rajesh Ramakrishnan, Shankar Gopalakrishnan, Suneel

Padale, Ajit Menon, Daniel Taghioff, and Forrest ...


Os Fundamentos Do Direito E O Processo De Bolonha, Paulo Ferreira Da Cunha May 2010

Os Fundamentos Do Direito E O Processo De Bolonha, Paulo Ferreira Da Cunha

Paulo Ferreira da Cunha

Há muitos mitos sobre o processo de Bolonha, que tem servido de álibi para muita coisa. Para X e o contrário de X. O presente artigo é uma resenha de um colóquio na Suiça, em que se discutiu a formação jurídica a sério e sem demagogia, no horizonte de Bolonha. Que, como todas as crises, pode e deve ser uma oportunidade para fazer triunfar o Direito pensado, e não a burocratização juridica positivista legalista. Entre as conclusões desta reunião está, naturalmente, a vontade de viver, continuar, e resistir, dedicada e inovadoramente, contra a tecnocratização do Direito. Como dizia Pietro Costa ...


Semiótica Dos Titulos, Paulo Ferreira Da Cunha May 2010

Semiótica Dos Titulos, Paulo Ferreira Da Cunha

Paulo Ferreira da Cunha

Uma coisa são habilitações reais, competência clara, outra são os títulos e os postos na carreira. Confunde-se demais o doirado dos “canudos” com a substância, assim como o renome mediático com qualidade. Há certamente uma patologia social quando se é povo de titulados e titulares. Tratamo-nos excessivamente por “doutores”, muitas vezes sem propriedade. O humanista Clenardo, no séc. XVI já, é que nos viu bem: generalizada mania da nobreza.


Fazer A "Diferença", Paulo Ferreira Da Cunha May 2010

Fazer A "Diferença", Paulo Ferreira Da Cunha

Paulo Ferreira da Cunha

O que é ser diferente? O que é "ter diferenças"? Porque se diz, hoje em dia, em língua portuguesa corrente, "diferença" em vez de "divergência"? Não será esse um dos "paralelipípedos de línguagem" em que tropeçamos, ou que arremessamos aos nossos co-falantes?