Open Access. Powered by Scholars. Published by Universities.®

Political Science Commons

Open Access. Powered by Scholars. Published by Universities.®

Selected Works

PDF

2010

Political Theory

Articles 1 - 30 of 106

Full-Text Articles in Political Science

Não Uma Outra República, A Nossa República, Outra, Paulo Ferreira Da Cunha Dec 2010

Não Uma Outra República, A Nossa República, Outra, Paulo Ferreira Da Cunha

Paulo Ferreira da Cunha

Porque é que as democracias nunca se defendem bem? E como não vêem alguns dos que, generosa ou utopicamente, advogam uma nova república (a que chamam IV, normalmente, contando como tal o salazarismo-caetanismo, que foi uma autocracia, logo não uma república, mesmo uma anti-república), estão objectivamente a levar água ao moinho dessa coisa-outra que pode ter fachada republicana (ou monárquica…), mas só poderia ser, de novo, uma autocracia?


Proyecto De Investigación: La Primera Agencia Espacial Mexicana: La Comisión Nacional Del Espacio Exterior (1962-1977), J. R. Joel Flores-Mariscal Dec 2010

Proyecto De Investigación: La Primera Agencia Espacial Mexicana: La Comisión Nacional Del Espacio Exterior (1962-1977), J. R. Joel Flores-Mariscal

J. R. Joel Flores-Mariscal

No abstract provided.


Proyecto De Investigación: Los Mexicanos En Las Operaciones De La Segunda Guerra Mundial, J. R. Joel Flores-Mariscal Dec 2010

Proyecto De Investigación: Los Mexicanos En Las Operaciones De La Segunda Guerra Mundial, J. R. Joel Flores-Mariscal

J. R. Joel Flores-Mariscal

No abstract provided.


Mapping International Chaos, Dylan Kissane Dec 2010

Mapping International Chaos, Dylan Kissane

Dylan Kissane

Mapping is inherently a subjective and exclusionary practice as the cartographer decides which elements of the world are included and which can safely be ignored. Similarly, when an international relations theorist describes a new theory it is necessary to define the elements which are essential to understanding the complexities of an international political system, explain why other elements have been excluded and justify why those decisions were made. The subjective nature of theorizing international affairs and the necessary exclusionary practices in which the theorist engages mean that the arguments supporting a new theory of international relations must be rather stronger ...


Revolution In Political Affairs, Dylan Kissane Dec 2010

Revolution In Political Affairs, Dylan Kissane

Dylan Kissane

Extract:

"Recognising the marked impact of the internet on both practical politics and the practices of political scientists, it is not too large a step to paraphrase the US Department of Defence and decree the internet a Revolution in Political Affairs. Akin to its military phrase mate, the internet is effecting all areas of political discourse, exchange and public policy while, at the same time, forcing those who study and theorise politics to change their existing ways of thinking, working and imagining their chosen field..."


(Not So) Special Relationships: Explaining Alliance Behaviour In The English Speaking World [Relaţii (Nu Atât De) Speciale. Explicarea Comportamentului De Alianţă În Lumea Vorbitorilor De Limbă Engleză], Dylan Kissane Dec 2010

(Not So) Special Relationships: Explaining Alliance Behaviour In The English Speaking World [Relaţii (Nu Atât De) Speciale. Explicarea Comportamentului De Alianţă În Lumea Vorbitorilor De Limbă Engleză], Dylan Kissane

Dylan Kissane

ENGLISH: Throughout the 20th century the major powers in the global Anglosphere often found themselves allies in armed conflict. These war-time alliances – sometimes temporary, more often part of a longer term cooperation – are sometimes held to arise because of common histories, common values, similar national ideologies and similar notions of international right and wrong. Indeed, the political rhetoric surrounding declarations of war has often cited such factors as colonial history, international friendship and “special relationships” as motivators for joining armed coalitions against third party states. Yet while there stand stark examples of these major English speaking powers acting entirely in ...


Challenges And Strategies Of Mobile Advertising In India, Ratnesh Dwivedi Mr Nov 2010

Challenges And Strategies Of Mobile Advertising In India, Ratnesh Dwivedi Mr

Ratnesh Dwivedi

Advertising is paid communication through a medium in which the sponsor is identified and the message is controlled. Every major medium is used to deliver these messages, including: television, radio, movies, magazines, newspapers, the Internet and today’s growing mobile advertising. Advertisements can also be seen on the seats of grocery carts, on the walls of an airport walkway, on the sides of buses, heard in telephone hold messages and instore PA systems but get paid for reading SMS on our mobile phones .It is the new way of marketing strategy for reaching subscribers. Mobile advertising is the business of ...


Changing Mutual Perception Of Television News Viewers And Program Makers In India- A Case Study Of Cnn-Ibn And Its Unique Initiative Of Citizen Journalism, Ratnesh Dwivedi Mr Nov 2010

Changing Mutual Perception Of Television News Viewers And Program Makers In India- A Case Study Of Cnn-Ibn And Its Unique Initiative Of Citizen Journalism, Ratnesh Dwivedi Mr

Ratnesh Dwivedi

The Indian television system is one of the most extensive systems in the world. Terrestrial broadcasting, which has been the sole preserve of the government, provides television coverage to over 90% of India's 900 million people. By the end of 1996 nearly 50 million households had television sets. International satellite broadcasting, introduced in 1991, has swept across the country because of the rapid proliferation of small scale cable systems. By the end of 1996, Indians could view dozens of foreign and local channels and the competition for audiences and advertising revenues was one of the hottest in the world ...


Revisões Constitucionais Inconstitucionais?, Paulo Ferreira Da Cunha Nov 2010

Revisões Constitucionais Inconstitucionais?, Paulo Ferreira Da Cunha

Paulo Ferreira da Cunha

Algumas propostas de revisão constitucional parecem ignorar que tal procedimento está constitucionalizado, e que há regras para o fazer, assim como vários limites a respeitar. Só podem ser consideradas iniciativas de divulgação de ideários políticos porque, se por absurdo fossem por diante, acabariam por constituir revisões constitucionais inconstitucionais. Um dos pontos mais nevráligicos da polémica (não só portuguesa) sobre as mutações constitucionais é o Estado Social. Sobre ele se gerou um amplo consenso na Constituinte, que persiste e até talvez se haja aprofundado na sociedade de hoje. Ele faz intrinsecamente parte do programa da Constituição vigente, pelo que revê-la de ...


Visões E Revisões Constitucionais, Paulo Ferreira Da Cunha Nov 2010

Visões E Revisões Constitucionais, Paulo Ferreira Da Cunha

Paulo Ferreira da Cunha

Os tempos actuais são apesar de tudo excelentes para reflectir sobre o vero alcance das normas. E sobretudo das normas generosas da nossa Constituição democrática e social. Não se pense que a Constituição é milagrosa. As crises, como aquela em que nos encontramos, colocam-lhe desafios sérios, e é a força das coisas, dos factos, e não o normativo dos textos, quem impera normalmente.


Blame It On The Russians: Tracking The Portrayal Of Russians During Cyber Conflict Incidents, Athina Karatzogianni Dr Oct 2010

Blame It On The Russians: Tracking The Portrayal Of Russians During Cyber Conflict Incidents, Athina Karatzogianni Dr

Athina Karatzogianni

This article analyses various cyber conflicts and cyber crime incidents attributed to Russian hackers, such as the Estonian and Georgian cyber conflicts and the ‘Climategate hack’. The article argues that Russian hackers were blamed by dozens of outlets for the Climategate hack, because that was consistent with global media coverage of cyber crime incidents which portrayed Russians as highly powerful hackers responsible for many hacking incidents. This narrative also was congruent with the new Cold War rhetoric that consistently takes issue with Russia acting on its geopolitical interests. These interests are seen to manifest themselves in Russia’s objection to ...


Anglosphere United? Examining And Explaining 20th Century Wartime Alliances In The English Speaking World, Dylan Kissane Oct 2010

Anglosphere United? Examining And Explaining 20th Century Wartime Alliances In The English Speaking World, Dylan Kissane

Dylan Kissane

Throughout the 20th century the major powers in the global Anglosphere often found themselves allies in armed conflict. These war-time alliances – sometimes temporary, more often part of a longer term cooperation – are sometimes held to arise because of common histories, common values, similar national ideologies and similar notions of international right and wrong. Indeed, the political rhetoric surrounding declarations of war has often cited such factors as colonial history, international friendship and “special relationships” as motivators for joining armed coalitions against third party states. Yet while there stand stark examples of these major English speaking powers acting entirely in congress ...


Palavras Claras, Paulo Ferreira Da Cunha Oct 2010

Palavras Claras, Paulo Ferreira Da Cunha

Paulo Ferreira da Cunha

Cuidemos das palavras. É tão fácil identificar um novo-rico cultural ou um tecnocrata vazio pela linguagem de plástico... Essa linguagem (voltei a ver agora numa releitura de António Telmo, mas já está em Confúcio), molda mesmo a mente. Quem assim fala, assim pensa. É critério infalível.


Lições Do Kiwi, Paulo Ferreira Da Cunha Oct 2010

Lições Do Kiwi, Paulo Ferreira Da Cunha

Paulo Ferreira da Cunha

Nenhum desafio, nem mesmo o do sabor de um fruto descrito por palavras, pode ficar sem resposta – ainda que aproximativa; a ausência de convenções sobre o como fazer não deve paralisar quem quer fazer; a analogia com o fazer outras coisas pode servir de inspiração; mas não se pode fazer algo de novo, ou face a coisas novas meramente repetindo o antigo – é preciso alguma inovação, ainda que na reunião dos meios; finalmente, cada coisa, cada desafio novo, cada nova tarefa, convoca instrumentos adequados, e não outros.


Community Radio:History,Growth,Challenges And Current Status Of It With Special Reference To India, Ratnesh Dwivedi Mr Oct 2010

Community Radio:History,Growth,Challenges And Current Status Of It With Special Reference To India, Ratnesh Dwivedi Mr

Ratnesh Dwivedi

Community radio is a type of radio service that caters to the interests of a certain area, broadcasting content that is popular to a local audience but which may often be overlooked by commercial or mass-media broadcasters. Modern-day community radio stations often serve their listeners by offering a variety of content that is not necessarily provided by the larger commercial radio stations. Community radio outlets may carry news and information programming geared toward the local area, particularly immigrant or minority groups that are poorly served by other major media outlets. Philosophically two distinct approaches to community radio can be discerned ...


República E Monarquia: Desfazendo Confusões, Paulo Ferreira Da Cunha Oct 2010

República E Monarquia: Desfazendo Confusões, Paulo Ferreira Da Cunha

Paulo Ferreira da Cunha

Há pelo menos três sentidos essencias da palavra República... Se os confundirmos, estamos perdidos, nunca nos entenderemos. O sentido mais profícuo é o material ou substancial e intermédio: nem o que diz que todas as sociedades políticas o são (sentido hoje quase esquecido), nem o que identifica formalmente as repúblicas com todas as sociedades que não têm rei, sem lhes verificar requisitos éticos. Há um "quid" especial nas Repúblicas para quem é republicano. E que não tem nada a ver com o que nelas vêem os monárquicos ou os indiferentes (?)...


The State-In-Society Approach To Democratization With Examples From Japan, Mary Alice Haddad Sep 2010

The State-In-Society Approach To Democratization With Examples From Japan, Mary Alice Haddad

Mary Alice Haddad

How does an undemocratic country create democratic institutions and transform its polity in such a way that democratic values and practices become integral parts of its political culture? This article uses the case of Japan to advocate for a new theoretical approach to the study of democratization. In particular, it examines how theoretical models based on the European and North American experiences have difficulty explaining the process of democratization in Japan, and argues that a state-in-society approach is better suited to explaining the democratization process diverse cultural contexts. Taking a bottom-up view of recent developments in Japanese civil society through ...


Pedro E O Lobo, Paulo Ferreira Da Cunha Sep 2010

Pedro E O Lobo, Paulo Ferreira Da Cunha

Paulo Ferreira da Cunha

Somos constantemente bombardeados com desgraças. Os telejornais coleccionam desgraças pelo mundo, até de poucos mortos, todas juntas. O catastrofismo é empolado por privilegiados e ociosos (que disso não se dão conta), que gostariam de mais privilégios, e cuja ociosidade precisa de ser preenchida com emoções fortes, ainda que artificiais. Quando é necessário unir os Portugueses e trabalhar muito, precisamente nos acenam com o mito do Dom Sebastião... Como seria a desilusão dos incautos por eles arrastados se acaso triunfassem as suas pretensões... O presente artigo pretende sublinhar a importância do triunfo do princípio da responsabilidade sobre os impulsos tanáticos, suicidas ...


República E Justiça Social, Paulo Ferreira Da Cunha Sep 2010

República E Justiça Social, Paulo Ferreira Da Cunha

Paulo Ferreira da Cunha

Será a República socialmente indiferente? Algumas experiências concretas (e desde logo a I República portuguesa) levaram alguns, sobretudo mais adeptos de transformações mais profundas e violentas, a criticar o republicanismo por contrário à Justiça Social, ou, pelo menos, como muito tímido nessa matéria. Mas será que a República é, por natureza, anti-social, a-social ou mesmo conservadora? Não nos parece...


República, Adjectivos E Números, Paulo Ferreira Da Cunha Sep 2010

República, Adjectivos E Números, Paulo Ferreira Da Cunha

Paulo Ferreira da Cunha

Políticos e comentadores que falam em renovação das instituições e a tal querem dar novo nome, caem quase sempre em expressões de conotação perigosa à luz da História política.Felizmente as nossas Repúblicas não têm numeração oficial. Em tempo de comemorações, há quem fale em mais Repúblicas do que duas. E mesmo quem se preocupe com os 100 anos da República se não se contar o interregno, o “Estado Novo”. Mas o que os republicanos comemoram é um século desde a implantação da República (1910). É esse momento que se celebra.


History Of Communication And Its Application In Multicultaral,Multilingual Social System In India Across Ages, Ratnesh Dwivedi Mr Sep 2010

History Of Communication And Its Application In Multicultaral,Multilingual Social System In India Across Ages, Ratnesh Dwivedi Mr

Ratnesh Dwivedi

The history of communication dates back to the earliest signs of cavemen.Communication can range from very subtle processes of exchange, to full conversations and mass communication. Human communication was revolutionized with speech perhaps 200,000 years ago, Symbols were developed about 30,000 years ago and writing about 7,000. On a much shorter scale, there have been major developments in the field of telecommunication in the past few centuries.


Piratas Y Corsarios En La Era Digital, Mario Šilar, Alejandro Néstor García Martínez Sep 2010

Piratas Y Corsarios En La Era Digital, Mario Šilar, Alejandro Néstor García Martínez

Mario Šilar

http://www.unav.es/nuestrotiempo/es/temas/piratas-y-corsarios-en-la-era-digital


Constitucionalidade É Regra, Paulo Ferreira Da Cunha Aug 2010

Constitucionalidade É Regra, Paulo Ferreira Da Cunha

Paulo Ferreira da Cunha

A Constituição não é um desses conceitos que se dobram e desdobram, fazem e refazem a bel-prazer dos interesses dos políticos, ou dos comentadores, que não o são menos. Não é questão de moda. Já como que ouvimos alguns a pensar, e quiçá a dizer mesmo: "Esta estação "está a dar", é "chic" ser contra a velharia da Constituição. Façamos pois uma nova, rasguemos e rompamos a velha - mesmo que por revisão -, fruto dessa coisa caduca, desactualizada, a revolução dos cravos, flor popularucha..." A Constituição, porém, não se muda por capricho de bem-pensantes, que nos querem doutrinar com o que ...


A Constituição É Soberana, Paulo Ferreira Da Cunha Aug 2010

A Constituição É Soberana, Paulo Ferreira Da Cunha

Paulo Ferreira da Cunha

A Constituição está acima de toda e qualquer outra manifestação jurídica, e, naturalmente, política. Por isso tem sido identificada, na pirâmide normativa (e jurídica em geral), com o vértice. Todo o Direito tem de estar de acordo com a Constituição. As normas, mesmo pretensamente constitucionais, que não respeitem a Constituição, são inconstitucionais e devem ser apagadas (quanto possível, pela natureza das coisas) da ordem jurídica. Estas como outras ideias simples nem sempre são aplicadas (ou se têm presentes) na prática do debate político. Quando, por exemplo, se pensa em revisões constitucionais. Estas também têm de respeitar a hierarquia normativa, logo ...


Constituição É Estabilidade, Paulo Ferreira Da Cunha Aug 2010

Constituição É Estabilidade, Paulo Ferreira Da Cunha

Paulo Ferreira da Cunha

A Constituição é a norma das normas, base da estabilidade institucional e da continuidade política para além dos governos, que se vão sucedendo e a devem sempre cumprir. A Constituição contém um programa nacional comum. Quando esse programa não servir realmente, não se revê a Constituição. Faz-se uma revolução e virá por ela nova Constituição. Mas estamos contentes com a Constituição que temos. Ela serve-nos, com mudanças de pormenor, quando oportuno.


Futebol Como Metáfora, Paulo Ferreira Da Cunha Jul 2010

Futebol Como Metáfora, Paulo Ferreira Da Cunha

Paulo Ferreira da Cunha

O grande antropólogo brasileiro Roberto Da Matta, em entrevista a Marília Gabriela, na SBT, notável a muitos títulos, pareceu-nos ter elogiado o futebol como um sector social em que os jogadores são escolhidos pelo seu mérito efectivo e não por "cunhas" ou por motivos hereditários ou de afinidade. O que seria se a sociedade em geral se regulasse do mesmo modo? Ponderam-se neste artigo o entusiasmo por uma metáfora dessas e sublinha-se também a ambiguidade dessa "meritocracia"...


Higiene Da Língua, Paulo Ferreira Da Cunha Jul 2010

Higiene Da Língua, Paulo Ferreira Da Cunha

Paulo Ferreira da Cunha

Não interessam as ideias, ou o que se diga, mas apenas "passar na TV"? A nossa Língua não denota, nos maus tratos que sofre, doenças sociais e políticas? Antes de tudo, para haver saúde social e política, é preciso ter ideias claras. E elas não existem sem palavras apropriadas - uma lição de Confúcio a meditar. A alternativa é venerarmos apenas, acriticamente, os ídolos que passem na TV.


Pop Culture In The Classroom: American Idol, Karl Marx, And Alexis De Tocqueville, Miguel Centellas Jul 2010

Pop Culture In The Classroom: American Idol, Karl Marx, And Alexis De Tocqueville, Miguel Centellas

Miguel Centellas

This article discusses the use of pop culture in the classroom as a means to teach foundational political science authors and concepts. I focus on my experience using Amer- ican Idol as a point of reference to discuss Marx and Engel’s The Communist Manifesto and Tocqueville’s Democracy in America in undergraduate comparative politics courses. Stu- dents are asked to construct a written argument projecting Marx or Tocqueville’s percep- tions of American Idol, based on their readings. My experiences demonstrate that asking students to reflect on their own contemporary experience through the prism of these two works helps ...


Facebook, Paulo Ferreira Da Cunha Jun 2010

Facebook, Paulo Ferreira Da Cunha

Paulo Ferreira da Cunha

Fascínios, possibilidades e perigos do Facebook e de tecnologias afins e seu uso. Sobretudo, a pseudo-democracia electrónica, tentação dos demagogos.


Why We Don't Understand The Rule Of Law Or Explaining The Rule Of Law: A Practice In Search Of A Theory, Noel B. Reynolds Jun 2010

Why We Don't Understand The Rule Of Law Or Explaining The Rule Of Law: A Practice In Search Of A Theory, Noel B. Reynolds

Noel B Reynolds

This lecture summarizes the main attempts to formulate an understanding of rule of law among legal theorists and explains why they fail to account for the real experience of law. It also explains key characteristics of law that need to be recognized in an adequate account of the rule of law.