Open Access. Powered by Scholars. Published by Universities.®

European History Commons

Open Access. Powered by Scholars. Published by Universities.®

Legal History

Institution
Keyword
Publication Year
Publication
Publication Type
File Type

Articles 1 - 30 of 149

Full-Text Articles in European History

The Mass Murder Of The European Jews And The Concept Of ‘Genocide’ In The Nuremberg Trials: Reassessing Raphaël Lemkin’S Impact, Alexa Stiller Apr 2019

The Mass Murder Of The European Jews And The Concept Of ‘Genocide’ In The Nuremberg Trials: Reassessing Raphaël Lemkin’S Impact, Alexa Stiller

Genocide Studies and Prevention: An International Journal

Nuremberg’s prosecutors prominently used Lemkin’s genocide concept. They also dealt in detail with the mass murder of Europe’s Jews. However, for them ‘genocide’ and the Holocaust were not congruent. They used different definitions of Lemkin’s concept and interpreted the relationship between the mass murder of the European Jews and the entire mass violence of the Nazis differently. Lemkin had little influence on the application of his concept in the Nuremberg trials between 1945 and 1949. The implementation of the 1948 United Nations Genocide Convention put an end to the broad use of the original concept from ...


Judicializing History: Mass Crimes Trials And The Historian As Expert Witness In West Germany, Cambodia, And Bangladesh, Rebecca Gidley, Mathew Turner Dec 2018

Judicializing History: Mass Crimes Trials And The Historian As Expert Witness In West Germany, Cambodia, And Bangladesh, Rebecca Gidley, Mathew Turner

Genocide Studies and Prevention: An International Journal

Henry Rousso warned that the engagement of historians as expert witnesses in trials, particularly highly politicized proceedings of mass crimes, risks a judicialization of history. This article tests Rousso’s argument through analysis of three quite different case studies: the Frankfurt Auschwitz trial; the Extraordinary Chambers in the Courts of Cambodia; and the International Crimes Tribunal in Bangladesh. It argues that Rousso’s objections misrepresent the Frankfurt Auschwitz trial, while failing to account for the engagement of historical expertise in mass atrocity trials beyond Europe. Paradoxically, Rousso’s criticisms are less suited to the European context that represents his purview ...


The Nuremberg Trials Project At Harvard Law School: Making History Accessible To All, Judith A. Haran Jun 2018

The Nuremberg Trials Project At Harvard Law School: Making History Accessible To All, Judith A. Haran

Journal of Contemporary Archival Studies

This article is primarily a case study of the Nuremberg Trials Project at the Harvard Law School Library in Cambridge, Massachusetts. It begins with an historical note about the war crimes trials and their documentary record, including the fate of the several tons of trial documents that were distributed in 1949. The second part of the article is a description of the Harvard Law School Nuremberg project, including its history, goals, logistical considerations, digitization process and challenges, and resulting impact. The structure and function of the project website is described, followed by a description of a typical user experience, the ...


Dorothy Moser Medlin Papers - Accession 1049, Dorothy Moser Medlin Jan 2018

Dorothy Moser Medlin Papers - Accession 1049, Dorothy Moser Medlin

Manuscript Collection

(The Dorothy Moser Medlin Papers are currently in processing.)

This collection contains most of the records of Dorothy Medlin’s work and correspondence and also includes reference materials, notes, microfilm, photographic negatives related both to her professional and personal life. Additions include a FLES Handbook, co-authored by Dorothy Medlin and a decorative mirror belonging to Dorothy Medlin.

Major series in this collection include: some original 18th century writings and ephemera and primary source material of André Morellet, extensive collection of secondary material on André Morellet's writings and translations, Winthrop related files, literary manuscripts and notes by Dorothy Medlin (1966-2011 ...


East West Street: Personal Stories About Life And Law, Philippe Sands Jan 2017

East West Street: Personal Stories About Life And Law, Philippe Sands

Washington University Global Studies Law Review

No abstract provided.


Magna Carta Then And Now: A Symbol Of Freedom And Equal Rights For All, Eugene K B Tan, Jack Tsen-Ta Lee Nov 2015

Magna Carta Then And Now: A Symbol Of Freedom And Equal Rights For All, Eugene K B Tan, Jack Tsen-Ta Lee

Jack Tsen-Ta LEE

Magna Carta became applicable to Singapore in 1826 when a court system administering English law was established in the Straits Settlements. This remained the case through Singapore’s evolution from Crown colony to independent republic. The Great Charter only ceased to apply in 1993, when Parliament enacted the Application of English Law Act to clarify which colonial laws were still part of Singapore law. Nonetheless, Magna Carta’s legacy in Singapore continues in a number of ways. Principles such as due process of law and the supremacy of law are cornerstones of the rule of law, vital to the success ...


Exploring Magna Carta, Laurel Davis Mar 2015

Exploring Magna Carta, Laurel Davis

Rare Book Room Exhibition Programs

Exhibition program from a Spring/Summer 2015 exhibit presented in the Daniel R. Coquillette Rare Book Room at the Boston College Law Library. The exhibit marked the 800th anniversary of the signing of the Magna Carta by following the history of the text, from early printed Magna Cartas, to statutory compilations, to discussions of the Magna Carta in the American Colonies.


'In The Time Of A Woman, Which Sex Was Not Capable Of Mature Deliberation': Late Tudor Parliamentary Relations And Their Early Stuart Discontents, Josh Chafetz Dec 2014

'In The Time Of A Woman, Which Sex Was Not Capable Of Mature Deliberation': Late Tudor Parliamentary Relations And Their Early Stuart Discontents, Josh Chafetz

Josh Chafetz

The English Civil War is one of the seminal events in Anglo-American constitutional history. Oceans of ink have been spilled in debating its causes, and historians have pointed to a number of salient divisions along economic, social, political, and religious lines. But a related, and equally important, question has gone largely ignored: what allowed the House of Commons, for the first time in English history, to play the lead role in opposing the Crown? How did the lower house of Parliament develop the constitutional self-confidence that would allow it to organize the rebellion against Charles I? This Article argues that ...


Toward A United Ireland? The Northern Ireland Peace Process And The Devolution Of Powers From London To Belfast, Matthew G. Rooks Sep 2014

Toward A United Ireland? The Northern Ireland Peace Process And The Devolution Of Powers From London To Belfast, Matthew G. Rooks

Georgia Journal of International & Comparative Law

No abstract provided.


Social Hierarchies And The Formation Of Customary Property Law In Pre-Industrial China And England, Taisu Zhang Jan 2014

Social Hierarchies And The Formation Of Customary Property Law In Pre-Industrial China And England, Taisu Zhang

Faculty Scholarship

Comparative lawyers and economists have often assumed that traditional Chinese laws and customs reinforced the economic and political dominance of elites and, therefore, were unusually “despotic” towards the poor. Such assumptions are highly questionable: Quite the opposite, one of the most striking characteristics of Qing and Republican property institutions is that they often gave significantly greater economic protection to the poorer segments of society than comparable institutions in early modern England. In particular, Chinese property customs afforded much stronger powers of redemption to landowners who had pawned their land. In both societies, land-pawning occurred far more frequently among poorer households ...


Francis Bacon: Of Law, Science, And Philosophy, Laurel Davis Sep 2013

Francis Bacon: Of Law, Science, And Philosophy, Laurel Davis

Rare Book Room Exhibition Programs

Exhibition program from a Fall 2013 exhibit presented in the Daniel R. Coquillette Rare Book Room at the Boston College Law Library. The exhibit brought together editions of Francis Bacon's works ranging from the Seventeenth to the Twentieth Century.


Wilhelm Kroll's Preface To Justinian's Novels: An English Translation, Timothy G. Kearley, David J.D. Miller Jul 2013

Wilhelm Kroll's Preface To Justinian's Novels: An English Translation, Timothy G. Kearley, David J.D. Miller

Timothy G. Kearley

For the legal historian, the Age of Justinian is nothing short of pivotal. Medievalists and early modernists interested in the so-called reception of Roman law in later times and places must look back to Justinian and his law books, as classicists and historians interested in Roman republican or early imperial law must frequently look forward to them.

Justinian’s law books are, of course, the Digest, the Code, the Institutes, and the Novels (Novellae Constitutiones), which have become known collectively as the Corpus Iuris Civilis (CIC).

It soon becomes clear to those interested in the CIC that the standard modern ...


Wilhelm Kroll's Preface To Justinian's Novels: An English Translation, Timothy G. Kearley, David J.D. Miller Jul 2013

Wilhelm Kroll's Preface To Justinian's Novels: An English Translation, Timothy G. Kearley, David J.D. Miller

Timothy G. Kearley

Justice Frederick H. Blume, attorney and long-time Justice of the Wyoming Supreme Court, single-handedly translated Justinian's Code and Novels in the early twentieth century. His is the only English translation of the Code to have been made from the Latin version accepted as most authoritative. Using Blume's papers, this article describes, among other things: how Blume created the extensive Roman law library needed for his translation; his approach to translation; and his collaboration with Clyde Pharr on Pharr's "Corpus Juris Romani" series. The article also describes the author's editing and digitization of Justice Blume's translation.


'In The Time Of A Woman, Which Sex Was Not Capable Of Mature Deliberation': Late Tudor Parliamentary Relations And Their Early Stuart Discontents, Josh Chafetz Jul 2013

'In The Time Of A Woman, Which Sex Was Not Capable Of Mature Deliberation': Late Tudor Parliamentary Relations And Their Early Stuart Discontents, Josh Chafetz

Cornell Law Faculty Publications

The English Civil War is one of the seminal events in Anglo-American constitutional history. Oceans of ink have been spilled in debating its causes, and historians have pointed to a number of salient divisions along economic, social, political, and religious lines. But a related, and equally important, question has gone largely ignored: what allowed the House of Commons, for the first time in English history, to play the lead role in opposing the Crown? How did the lower house of Parliament develop the constitutional self-confidence that would allow it to organize the rebellion against Charles I?

This Article argues that ...


“Onde Está A Felicidade?", Paulo Ferreira Da Cunha Apr 2013

“Onde Está A Felicidade?", Paulo Ferreira Da Cunha

Paulo Ferreira da Cunha

Poderemos ser felizes? Passamos a maior parte do tempo a trabalhar, no emprego ou em casa, e em Portugal até dormimos cada vez menos. A aproximação à felicidade parece cada vez mais depender de como nos sentirmos no trabalho. E face à dura realidade, poderemos sonhar que todos sejam felizes no trabalho, ou tal será uma quimera?


“Onde Está A Felicidade?", Paulo Ferreira Da Cunha Apr 2013

“Onde Está A Felicidade?", Paulo Ferreira Da Cunha

Paulo Ferreira da Cunha

Poderemos ser felizes? Passamos a maior parte do tempo a trabalhar, no emprego ou em casa, e em Portugal até dormimos cada vez menos. A aproximação à felicidade parece cada vez mais depender de como nos sentirmos no trabalho. E face à dura realidade, poderemos sonhar que todos sejam felizes no trabalho, ou tal será uma quimera?


“Onde Está A Felicidade", Paulo Ferreira Da Cunha Apr 2013

“Onde Está A Felicidade", Paulo Ferreira Da Cunha

Paulo Ferreira da Cunha

Poderemos ser felizes? Passamos a maior parte do tempo a trabalhar, no emprego ou em casa, e em Portugal até dormimos cada vez menos. A aproximação à felicidade parece cada vez mais depender de como nos sentirmos no trabalho. E face à dura realidade, poderemos sonhar que todos sejam felizes no trabalho, ou tal será uma quimera?


Crime Virtuoso, Paulo Ferreira Da Cunha Mar 2013

Crime Virtuoso, Paulo Ferreira Da Cunha

Paulo Ferreira da Cunha

Neste artigo discute-se o que há de profundo e o que há de circunstancial na mania das fotocópias de livros e os problemas conexos da educação e da edição.


Para Uma Desconstrução Social E Política, Paulo Ferreira Da Cunha Feb 2013

Para Uma Desconstrução Social E Política, Paulo Ferreira Da Cunha

Paulo Ferreira da Cunha

Feira de vaidades, sociedade de enganos, mundo de aparências, a pólis em tempo de crise profunda mostra rostos que não são a sua alma, se é que ainda a tem (e não a vendeu já: por exemplo ao diabo). É preciso olhar raio X para ver através das cortinas de fumo quando, na comunidade política, por um lado se quer parecer o que se não é, ou meramente se pretende demostrar o que se pensa, sem se ter já qualquer veleidade de alterar o que está aí. Quando as consciências morais - ou quem a tal aspire - se limitam a querer ...


Vencer A Crise. Ética, Psicologia E Partidos, Paulo Ferreira Da Cunha Jan 2013

Vencer A Crise. Ética, Psicologia E Partidos, Paulo Ferreira Da Cunha

Paulo Ferreira da Cunha

Crise e medidas de liofilização e compressão ensurdecem toda a comunicação social. Há contudo que analisar as raízes psicológicas da crise e da crise sobre a crise, e urgentemente regenerar os partidos, sob pena de sempre se ter "mais do mesmo". Ou então muito diferente, porque a obstinação de uns levará à obstinação de outros. E se a II República não mostrar que vale a pena, poderá vir (o diabo não nos oiça) uma anti-república que se chamará IV (porque contará também o Estado Novo) a tentar resolver tudo à força.


Impostos E Alternativas, Paulo Ferreira Da Cunha Dec 2012

Impostos E Alternativas, Paulo Ferreira Da Cunha

Paulo Ferreira da Cunha

O Tribunal Constitucional terá que muito provavelmente apreciar o OGE para 2013. Será uma prova decisiva para a nossa democracia e a II República. Façamos entretanto um recuo e lembremos, ainda que muito sucintamente, os problemas de legitimação de qualquer tributação, e o contrato social para que remete. Será também que, como se dizia nos tempos da "dama de ferro", "there is no alternative"? Há sempre alternativas. Por isso é que há política e não mera tecnocracia. Há sempre Política. E sempre pode haver outras políticas, desde que haja políticos com coragem, imaginação e competência.


Massa E Elite. Uma Lição Da 'Renascença Portuguesa', Paulo Ferreira Da Cunha Dec 2012

Massa E Elite. Uma Lição Da 'Renascença Portuguesa', Paulo Ferreira Da Cunha

Paulo Ferreira da Cunha

Há muitos mitos e preconceitos sobre o elitismo e o seu papel em democracia. Confunde-se elite com oligarquia, por exemplo. Desde a Antiga Grécia que os regimes mais perfeitos eram mistos, em que não havia um único princípio a governar, mas vários. Hoje que as manifestações enchem as ruas e as massas podem ter maior protagonismo (já o estão a ter) é preciso refletir sobre o papel das massas e de como se relacionam com as elites. Um contributo para essa reflexão está já no movimento da Renascença Portuguesa, que se encontra em tempo de comemoração, mas também revisitação crítica ...


Da Universidade. Reflexão Jurídica Em Tempo De Crise, Paulo Ferreira Da Cunha Nov 2012

Da Universidade. Reflexão Jurídica Em Tempo De Crise, Paulo Ferreira Da Cunha

Paulo Ferreira da Cunha

Há princípios constitucionais para as Universidades. É bom que tal não se esqueça num tempo em que a Constituição está, mais que metida na gaveta, apedrejada todos os dias. E há princípios de bom senso, também. A Universidade não pode ser desvirtuada nem por asfixia financeira, nem por burocracia antidemocrática, nem por modismos que distraiam os professores (e até os estudantes) dos fins naturais e primaciais que tem: aprender e ensinar.


Brisa De Anomia - Da Constituição Real Ao Quotidiano Incompetente, Paulo Ferreira Da Cunha Nov 2012

Brisa De Anomia - Da Constituição Real Ao Quotidiano Incompetente, Paulo Ferreira Da Cunha

Paulo Ferreira da Cunha

Há vários sintomas de mal estar social, todos sabemos. Desde uma Constituição que parece ter passado a nominal ou semântica em algumas dimensões ao menos, não por culpa sua mas de quem a deveria cumprir, até ao esboroar das relações laborais e ao crescendo da insatisfação laboral de quem trabalha, a par do crescendo do desemprego, ou à falta de boa fé contratual... Sente-se ainda que muitos serviços estão a funcionar mal, mercê da precaridade dos contratos dos trabalhadores, promovidos a verdes colaboradores muitas vezes... Ainda parece, em geral, viver-se sob a lei, mas já há muitas bolsas de torto ...


O Cidadão E O Estadista, Paulo Ferreira Da Cunha Oct 2012

O Cidadão E O Estadista, Paulo Ferreira Da Cunha

Paulo Ferreira da Cunha

Fala-se muito em crise, naturalmente em mudanças políticas, e até em regeneração dos partidos. Cremos que esta é fundamental. Ou tal ocorre, ou virá, mais dia menos dia, após esta ou aquela convulsão, a ditadura e o partido único, sob qualquer bandeira, normalmente populista. Muitos estão já a atiçar o lume antipartidário e antidemocrático, como ocorreu noutros tempos. E apontando já os bodes expiatórios a sacrificar, enquanto os verdadeiros responsáveis passam ao largo... Por outro lado, não é Estadista quem quer. São precisas virtudes e qualidades. Não uma competência mitificada e abstrata. Mas projeto político e capacidade, experiência, etc.


Ecos Do Ipiranga. Autonomia, Cidadania E Justiça No Brasil, Paulo Ferreira Da Cunha Sep 2012

Ecos Do Ipiranga. Autonomia, Cidadania E Justiça No Brasil, Paulo Ferreira Da Cunha

Paulo Ferreira da Cunha

O grito do Ipiranga é um belo mito de independência. O Brasil é cultural e juridicamente uma realidade que está a construir uma interessantíssima identidade nacional, colhendo dos outros o que interessa, mas sobretudo afirmando-se com autonomia. E já pode exportar produtos jurídicos próprios, como, pela sua visibilidade, a publicidade televisiva das sessões do Supremo Tribunal Federal.


Paradigmas Jurídicos Do Ter, Paulo Ferreira Da Cunha Aug 2012

Paradigmas Jurídicos Do Ter, Paulo Ferreira Da Cunha

Paulo Ferreira da Cunha

A questão da propriedade é essencial ao Direito. A forma como com ela lida determina-o na sua essência. Por isso o primeiro grande paradigma jurídico foi o do direito objetivo, com relação de propriedade direta sobre as coisas, depois o subjetivo, em que a relação se subjetiviza e aparentemente (só aparentemente) se imaterializa, ao ponto de hoje tudo ser governado pelos Mercados sem rosto, e tem-se a esperança que possa vir a triunfar um Direito Novo, Humanista, Fraterno, em que conte mais a Pessoa que a propriedade. Este artigo recorda os momentos matinais em que se (de alguma forma miticamente ...


Direito Constitucional, Património Cultural, Paulo Ferreira Da Cunha Aug 2012

Direito Constitucional, Património Cultural, Paulo Ferreira Da Cunha

Paulo Ferreira da Cunha

Este artigo propõe o desafio teórico de se pensar o Direito Constitucional não só como como ciência de cultura (Peter Haeberle), mas ainda como património cultural, a defender também pela Cidadania.


Comunicação Política, Paulo Ferreira Da Cunha Jul 2012

Comunicação Política, Paulo Ferreira Da Cunha

Paulo Ferreira da Cunha

A sociedade de hipercomunicação e de espetáculo têm regras novas, que ainda não terão sido completamente assimiladas. Neste artigo se reflete quase aforisticamente sobre os problemas do diálogo em relação com a educação dos participantes, as bases de comunhão em que qualquer discussão tem de basear-se, o discurso do poder para o povo e do povo para o poder, as figuras deste, a perceção e a caricatura da realidade com aquele fim, e finalmente o papel comunicativo do representante.


Funcionários Públicos E Preconceitos Privados, Paulo Ferreira Da Cunha Jun 2012

Funcionários Públicos E Preconceitos Privados, Paulo Ferreira Da Cunha

Paulo Ferreira da Cunha

Açoitado pela crise, o País está crispado, e aponta o dedo a bodes expiatórios. Os verdadeiros culpados pela crise são porém fáceis de encontrar - e nalguns países encontraram-nos, julgaram-nos e condenaram-nos. Mas é interessante como aqui se desviam as atenções para grupos tradicionalmente estigmatizados pelas culpas alheias. Um dos alvos preferidos são os funcionários públicos.