Open Access. Powered by Scholars. Published by Universities.®

French and Francophone Language and Literature

Institution
Keyword
Publication Year
Publication
Publication Type

Articles 1 - 30 of 118

Full-Text Articles in Theory and Criticism

Good Game, Greyory Blake Jan 2018

Good Game, Greyory Blake

Theses and Dissertations

This thesis and its corresponding art installation, Lessons from Ziggy, attempts to deconstruct the variables prevalent within several complex systems, analyze their transformations, and propose a methodology for reasserting the soap box within the display pedestal. In this text, there are several key and specific examples of the transformation of various signifiers (i.e. media-bred fear’s transformation into a political tactic of surveillance, contemporary freneticism’s transformation into complacency, and community’s transformation into nationalism as a state weapon). In this essay, all of these concepts are contextualized within the exponential growth of new technologies. That is to say ...


Ian Gordon. Kid Comic Strips: A Genre Across Four Countries. New York: Palgrave Macmillan, 2017. ---. Superman: The Persistence Of An American Icon. New Jersey: Rutgers Up, 2017., Cathy L. Ryan Sep 2017

Ian Gordon. Kid Comic Strips: A Genre Across Four Countries. New York: Palgrave Macmillan, 2017. ---. Superman: The Persistence Of An American Icon. New Jersey: Rutgers Up, 2017., Cathy L. Ryan

Studies in 20th & 21st Century Literature

Review of Ian Gordon. Kid Comic Strips: A Genre Across Four Countries. Palgrave Studies in Comics and Graphic Novels, Ed. Roger Saban. New York: Palgrave Macmillan, 2017. Review of Ian Gordon. Superman: The Persistence of an American Icon. New Jersey: Rutgers UP, 2017.


The Phallic Woman: A Reexamination Of The Problematics Of Women And Surrealism, Adrienne Anne Chau Jan 2017

The Phallic Woman: A Reexamination Of The Problematics Of Women And Surrealism, Adrienne Anne Chau

Senior Projects Spring 2017

To see a work by a female surrealist is, perhaps, to see surrealistically. In other words, if the canonical, Western accounts of surrealism are what we are accustomed to, then the act of seeing a work of a woman completely disorients our trained familiarity with the movement, which up until the 1970s was left undisturbed. The principles of the movement, founded on the personal investigation of one’s psyche, lent themselves as an opportunity for the surrealist woman to explore the interior sources of her creative imagination. Visual expression of their self-discovery provided a different perspective of modern woman’s ...


French Women In Art: Reclaiming The Body Through Creation/Les Femmes Artistes Françaises : La Réclamation Du Corps À Travers La Création, Liatris Hethcoat Dec 2016

French Women In Art: Reclaiming The Body Through Creation/Les Femmes Artistes Françaises : La Réclamation Du Corps À Travers La Création, Liatris Hethcoat

Student Scholar Symposium Abstracts and Posters

The research I have conducted for my French Major Senior Thesis is a culmination of my passion for and studies of both French language and culture and the history and practice of Visual Arts. I have examined, across the history of art, the representation of women, and concluded that until the 20th century, these representations have been tools employed by the makers of history and those at the top of the patriarchal system, used to control women’s images and thus women themselves. I survey these representations, which are largely created by men—until the 20th century. I ...


Saturnine Constellations: Melancholy In Literary History And In The Works Of Baudelaire And Benjamin, Kevin Godbout Oct 2016

Saturnine Constellations: Melancholy In Literary History And In The Works Of Baudelaire And Benjamin, Kevin Godbout

Electronic Thesis and Dissertation Repository

Aristotle famously asked the question: why are extraordinary people so often melancholics? “Problem XXX,” written by Aristotle or one of his disciples, speculates that black bile, the humour once believed to cause melancholy, can promote a form of genius, a profound intellectual power. Walter Benjamin and Charles Baudelaire are two writers for whom this theory was true: though they suffered from gloominess and despondency, they also recognized that in the interior of sadness, and even madness, is a kernel of aesthetic, artistic, and philosophical truth. Melencolia illa heroica – whose theory was authoritatively formulated by Ficino, taking after Aristotle’s Problems ...


Biotopes And Ecotones: Slippery Images On The Edge Of The French Atlantic, Maura Coughlin Mar 2016

Biotopes And Ecotones: Slippery Images On The Edge Of The French Atlantic, Maura Coughlin

Landscapes: the Journal of the International Centre for Landscape and Language

Looking outside canonical late nineteenth- and early twentieth-century modernist images of the French Atlantic coast, this essay examines usually discrete fields of landscape painting, botanical visual culture and nascent intertidal natural history to articulate an ecological realism of the ecotone. In a survey of peasant gleaning practices, popular natural science of the shore as well as amateur marine botany, the ecological visual literacy of viewers of this era is speculatively assembled. Works by artists such as Elodie La Villete, Charles Cottet, André Dauchez and Mathurin Méheut who lived long term on the coast are put into dialogue with the pressed ...


André Breton The Collector: A Surrealist Poetics Of The Object, Christina Helena Rudosky Jan 2015

André Breton The Collector: A Surrealist Poetics Of The Object, Christina Helena Rudosky

French & Italian Graduate Theses & Dissertations

In 1937 André Breton declared in his surrealist novel L’Amour fou, “what I write is my life, my house,” suggesting a direct relationship between his writing and his home which was uniquely curated, wall to wall with collected objects. Breton’s statement, no doubt made in affirmation of the Surrealist project to revolutionize everyday life offers reflection on the complex experience of writing as a practice inspired by daily encounters with our material surroundings. The fact that Breton chose to live among a myriad of objects in his atelier, at 42 rue Fontaine, suggests the construction of an intimate ...


Speed And Convulsive Beauty: Trains And The Historic Avant-Garde, Marylaura Papalas Jan 2015

Speed And Convulsive Beauty: Trains And The Historic Avant-Garde, Marylaura Papalas

Studies in 20th & 21st Century Literature

The train, an invention and evocative symbol of the 19th century, somewhat ironically continued to fascinate avant-garde artists and writers of the 20th century, when faster and more exciting modes of transportation were in use. Locomotive imagery in Italian futurism and French surrealism, however, demonstrates a lasting fascination with speed, locomotive space, and their effect on perceptions of reality. Considering the work of more recent theorists like Paul Virilio, Michel Foucault, and various others who have contributed to the growing field of mobility studies, this paper aims to understand the persisting presence of the train as a symbol ...


Blurred Lines: Exploring Poetic And Musical Subjectivity In Verlaine And Debussy's "Romances Sans Paroles", Emily Eyestone Apr 2014

Blurred Lines: Exploring Poetic And Musical Subjectivity In Verlaine And Debussy's "Romances Sans Paroles", Emily Eyestone

Undergraduate Honors Theses

This thesis examines the expression of subjectivity in poetry and music, through a comparison of nineteenth century French poet Paul Verlaine's poems in his collection Romances sans paroles with the musical settings of these poems by the composer, Claude Debussy. Using artistic subjectivity as the point of departure, I attempt to account for the ways in which these art forms may approximate or suggest similar ideas, despite their materially-different modes of expression. Each of the four chapters in this analysis focus on a comparison between one of Verlaine's and its accompanying musical transcription by Debussy. I engage in ...


Active, Disorienting, And Transitional: The Aesthetic Of Boredom(S) In The Multimedia Works Of Nam June Paik (1932-2006), Eugene Kwon May 2013

Active, Disorienting, And Transitional: The Aesthetic Of Boredom(S) In The Multimedia Works Of Nam June Paik (1932-2006), Eugene Kwon

Undergraduate Theses—Unrestricted

The term boredom has a long and complex history. Boredom has been a topic of interest for both critical theorists and artists from various disciplines since antiquity. In the sixties, the meaning of the term boredom took on new significance as several art critics employed the term “boredom” to describe contemporary artworks. One artist from this period did not hesitate to describe his artworks as boring: Nam June Paik (1932-2006), a multimedia artist known for his avant-garde installations, sculptures, videos, and films. In my study, I argue that an aesthetic of boredom underlies certain works by Paik that employ particular ...


“Onde Está A Felicidade?", Paulo Ferreira Da Cunha Apr 2013

“Onde Está A Felicidade?", Paulo Ferreira Da Cunha

Paulo Ferreira da Cunha

Poderemos ser felizes? Passamos a maior parte do tempo a trabalhar, no emprego ou em casa, e em Portugal até dormimos cada vez menos. A aproximação à felicidade parece cada vez mais depender de como nos sentirmos no trabalho. E face à dura realidade, poderemos sonhar que todos sejam felizes no trabalho, ou tal será uma quimera?


“Onde Está A Felicidade?", Paulo Ferreira Da Cunha Apr 2013

“Onde Está A Felicidade?", Paulo Ferreira Da Cunha

Paulo Ferreira da Cunha

Poderemos ser felizes? Passamos a maior parte do tempo a trabalhar, no emprego ou em casa, e em Portugal até dormimos cada vez menos. A aproximação à felicidade parece cada vez mais depender de como nos sentirmos no trabalho. E face à dura realidade, poderemos sonhar que todos sejam felizes no trabalho, ou tal será uma quimera?


“Onde Está A Felicidade", Paulo Ferreira Da Cunha Apr 2013

“Onde Está A Felicidade", Paulo Ferreira Da Cunha

Paulo Ferreira da Cunha

Poderemos ser felizes? Passamos a maior parte do tempo a trabalhar, no emprego ou em casa, e em Portugal até dormimos cada vez menos. A aproximação à felicidade parece cada vez mais depender de como nos sentirmos no trabalho. E face à dura realidade, poderemos sonhar que todos sejam felizes no trabalho, ou tal será uma quimera?


Crime Virtuoso, Paulo Ferreira Da Cunha Mar 2013

Crime Virtuoso, Paulo Ferreira Da Cunha

Paulo Ferreira da Cunha

Neste artigo discute-se o que há de profundo e o que há de circunstancial na mania das fotocópias de livros e os problemas conexos da educação e da edição.


Para Uma Desconstrução Social E Política, Paulo Ferreira Da Cunha Feb 2013

Para Uma Desconstrução Social E Política, Paulo Ferreira Da Cunha

Paulo Ferreira da Cunha

Feira de vaidades, sociedade de enganos, mundo de aparências, a pólis em tempo de crise profunda mostra rostos que não são a sua alma, se é que ainda a tem (e não a vendeu já: por exemplo ao diabo). É preciso olhar raio X para ver através das cortinas de fumo quando, na comunidade política, por um lado se quer parecer o que se não é, ou meramente se pretende demostrar o que se pensa, sem se ter já qualquer veleidade de alterar o que está aí. Quando as consciências morais - ou quem a tal aspire - se limitam a querer ...


Vencer A Crise. Ética, Psicologia E Partidos, Paulo Ferreira Da Cunha Jan 2013

Vencer A Crise. Ética, Psicologia E Partidos, Paulo Ferreira Da Cunha

Paulo Ferreira da Cunha

Crise e medidas de liofilização e compressão ensurdecem toda a comunicação social. Há contudo que analisar as raízes psicológicas da crise e da crise sobre a crise, e urgentemente regenerar os partidos, sob pena de sempre se ter "mais do mesmo". Ou então muito diferente, porque a obstinação de uns levará à obstinação de outros. E se a II República não mostrar que vale a pena, poderá vir (o diabo não nos oiça) uma anti-república que se chamará IV (porque contará também o Estado Novo) a tentar resolver tudo à força.


Impostos E Alternativas, Paulo Ferreira Da Cunha Dec 2012

Impostos E Alternativas, Paulo Ferreira Da Cunha

Paulo Ferreira da Cunha

O Tribunal Constitucional terá que muito provavelmente apreciar o OGE para 2013. Será uma prova decisiva para a nossa democracia e a II República. Façamos entretanto um recuo e lembremos, ainda que muito sucintamente, os problemas de legitimação de qualquer tributação, e o contrato social para que remete. Será também que, como se dizia nos tempos da "dama de ferro", "there is no alternative"? Há sempre alternativas. Por isso é que há política e não mera tecnocracia. Há sempre Política. E sempre pode haver outras políticas, desde que haja políticos com coragem, imaginação e competência.


Massa E Elite. Uma Lição Da 'Renascença Portuguesa', Paulo Ferreira Da Cunha Dec 2012

Massa E Elite. Uma Lição Da 'Renascença Portuguesa', Paulo Ferreira Da Cunha

Paulo Ferreira da Cunha

Há muitos mitos e preconceitos sobre o elitismo e o seu papel em democracia. Confunde-se elite com oligarquia, por exemplo. Desde a Antiga Grécia que os regimes mais perfeitos eram mistos, em que não havia um único princípio a governar, mas vários. Hoje que as manifestações enchem as ruas e as massas podem ter maior protagonismo (já o estão a ter) é preciso refletir sobre o papel das massas e de como se relacionam com as elites. Um contributo para essa reflexão está já no movimento da Renascença Portuguesa, que se encontra em tempo de comemoração, mas também revisitação crítica ...


Da Universidade. Reflexão Jurídica Em Tempo De Crise, Paulo Ferreira Da Cunha Nov 2012

Da Universidade. Reflexão Jurídica Em Tempo De Crise, Paulo Ferreira Da Cunha

Paulo Ferreira da Cunha

Há princípios constitucionais para as Universidades. É bom que tal não se esqueça num tempo em que a Constituição está, mais que metida na gaveta, apedrejada todos os dias. E há princípios de bom senso, também. A Universidade não pode ser desvirtuada nem por asfixia financeira, nem por burocracia antidemocrática, nem por modismos que distraiam os professores (e até os estudantes) dos fins naturais e primaciais que tem: aprender e ensinar.


Brisa De Anomia - Da Constituição Real Ao Quotidiano Incompetente, Paulo Ferreira Da Cunha Nov 2012

Brisa De Anomia - Da Constituição Real Ao Quotidiano Incompetente, Paulo Ferreira Da Cunha

Paulo Ferreira da Cunha

Há vários sintomas de mal estar social, todos sabemos. Desde uma Constituição que parece ter passado a nominal ou semântica em algumas dimensões ao menos, não por culpa sua mas de quem a deveria cumprir, até ao esboroar das relações laborais e ao crescendo da insatisfação laboral de quem trabalha, a par do crescendo do desemprego, ou à falta de boa fé contratual... Sente-se ainda que muitos serviços estão a funcionar mal, mercê da precaridade dos contratos dos trabalhadores, promovidos a verdes colaboradores muitas vezes... Ainda parece, em geral, viver-se sob a lei, mas já há muitas bolsas de torto ...


O Cidadão E O Estadista, Paulo Ferreira Da Cunha Oct 2012

O Cidadão E O Estadista, Paulo Ferreira Da Cunha

Paulo Ferreira da Cunha

Fala-se muito em crise, naturalmente em mudanças políticas, e até em regeneração dos partidos. Cremos que esta é fundamental. Ou tal ocorre, ou virá, mais dia menos dia, após esta ou aquela convulsão, a ditadura e o partido único, sob qualquer bandeira, normalmente populista. Muitos estão já a atiçar o lume antipartidário e antidemocrático, como ocorreu noutros tempos. E apontando já os bodes expiatórios a sacrificar, enquanto os verdadeiros responsáveis passam ao largo... Por outro lado, não é Estadista quem quer. São precisas virtudes e qualidades. Não uma competência mitificada e abstrata. Mas projeto político e capacidade, experiência, etc.


Ecos Do Ipiranga. Autonomia, Cidadania E Justiça No Brasil, Paulo Ferreira Da Cunha Sep 2012

Ecos Do Ipiranga. Autonomia, Cidadania E Justiça No Brasil, Paulo Ferreira Da Cunha

Paulo Ferreira da Cunha

O grito do Ipiranga é um belo mito de independência. O Brasil é cultural e juridicamente uma realidade que está a construir uma interessantíssima identidade nacional, colhendo dos outros o que interessa, mas sobretudo afirmando-se com autonomia. E já pode exportar produtos jurídicos próprios, como, pela sua visibilidade, a publicidade televisiva das sessões do Supremo Tribunal Federal.


Paradigmas Jurídicos Do Ter, Paulo Ferreira Da Cunha Aug 2012

Paradigmas Jurídicos Do Ter, Paulo Ferreira Da Cunha

Paulo Ferreira da Cunha

A questão da propriedade é essencial ao Direito. A forma como com ela lida determina-o na sua essência. Por isso o primeiro grande paradigma jurídico foi o do direito objetivo, com relação de propriedade direta sobre as coisas, depois o subjetivo, em que a relação se subjetiviza e aparentemente (só aparentemente) se imaterializa, ao ponto de hoje tudo ser governado pelos Mercados sem rosto, e tem-se a esperança que possa vir a triunfar um Direito Novo, Humanista, Fraterno, em que conte mais a Pessoa que a propriedade. Este artigo recorda os momentos matinais em que se (de alguma forma miticamente ...


Direito Constitucional, Património Cultural, Paulo Ferreira Da Cunha Aug 2012

Direito Constitucional, Património Cultural, Paulo Ferreira Da Cunha

Paulo Ferreira da Cunha

Este artigo propõe o desafio teórico de se pensar o Direito Constitucional não só como como ciência de cultura (Peter Haeberle), mas ainda como património cultural, a defender também pela Cidadania.


Comunicação Política, Paulo Ferreira Da Cunha Jul 2012

Comunicação Política, Paulo Ferreira Da Cunha

Paulo Ferreira da Cunha

A sociedade de hipercomunicação e de espetáculo têm regras novas, que ainda não terão sido completamente assimiladas. Neste artigo se reflete quase aforisticamente sobre os problemas do diálogo em relação com a educação dos participantes, as bases de comunhão em que qualquer discussão tem de basear-se, o discurso do poder para o povo e do povo para o poder, as figuras deste, a perceção e a caricatura da realidade com aquele fim, e finalmente o papel comunicativo do representante.


Funcionários Públicos E Preconceitos Privados, Paulo Ferreira Da Cunha Jun 2012

Funcionários Públicos E Preconceitos Privados, Paulo Ferreira Da Cunha

Paulo Ferreira da Cunha

Açoitado pela crise, o País está crispado, e aponta o dedo a bodes expiatórios. Os verdadeiros culpados pela crise são porém fáceis de encontrar - e nalguns países encontraram-nos, julgaram-nos e condenaram-nos. Mas é interessante como aqui se desviam as atenções para grupos tradicionalmente estigmatizados pelas culpas alheias. Um dos alvos preferidos são os funcionários públicos.


Direito À Língua Portuguesa E Lusofonia, Paulo Ferreira Da Cunha Jun 2012

Direito À Língua Portuguesa E Lusofonia, Paulo Ferreira Da Cunha

Paulo Ferreira da Cunha

Há manobras de diversão no problema do Direito à Língua, nos países lusófonos. Não é o Acordo ortográfico que nos deita os parentes na lama (muita da argumentação contra ele parece ser xenófoba, preconceituosa, etc.). O que realmente nos prejudica a língua e a cabeça lusófona é a capitulação provinciana de muitos de nós e das nossas instituições ao falar e ao pensar da globalização. Porque a Língua é a casa do ser, se falarmos (e pensarmos) muito numa língua alheia, a nossa cabeça começa a moldar-se à cosmovisão desse idioma. Sem prejuízo, é claro, da necessidade de conhecer o ...


A Crise Económico-Financeira Europeia: Preconceitos E Realidades, Paulo Ferreira Da Cunha May 2012

A Crise Económico-Financeira Europeia: Preconceitos E Realidades, Paulo Ferreira Da Cunha

Paulo Ferreira da Cunha

Uma cortina de fumo pseudo-científica obnubila a realidade de um ataque brutal aos países periféricos da Europa, mais especificamente aos da grande civilização mediterrânica: grecos e latinos. Como é possível que quem tanto legou à Europa e ao Mundo seja agora estigmatizado como preguiçoso e caloteiro? Há uma guerra económica coberta por uma guerra ideológica. E nesta última os próprios visados (e alguns que deles deveriam ser solidários) deixam-se lamentavelmente convencer e autoflagelam-se como culpados. Há culpados, mas não são Povos que sempre viveram com dificuldades...


Individualismo, Massas E Direito, Paulo Ferreira Da Cunha May 2012

Individualismo, Massas E Direito, Paulo Ferreira Da Cunha

Paulo Ferreira da Cunha

Reflexões sobre o "ethos" nacional, a presente crise e a encruzilhada em que os juristas e sobretudo os constitucionalistas se encontram: entre refugiarem-se no formalismo ou aplicarem a Constituição e zelarem pela Justiça.


Constituição E Política, Paulo Ferreira Da Cunha Apr 2012

Constituição E Política, Paulo Ferreira Da Cunha

Paulo Ferreira da Cunha

Entre a Política e Direito, o Direito Constitucional está hoje esquecido entre nós? Ainda temos Constituição? Este livro procura perguntas e respostas para esta crise constitucional em que vivemos sem que se dê o nome à doença. Só com um diagnóstico rigoroso se poderão encontrar medicamentos e trabalhar pela cura. Propomos mais e não menos concretização da Constituição. Não é ela a lei das leis da República? Ou desistimos então também de estar num Estado de Direito?